Curtindo a vida adoidado muitos anos depois

Um clássico dos anos 1980 acabou de ganhar uma releitura. “Curtindo a Vida Adoidado” (Ferris Bueller’s Day Off), filme de John Hughes, é um daqueles filmes que não dá para ter perdido em uma sessão da tarde se você cresceu nos anos 80/90. A Honda escalou o ator Matthew Broderick para reencenar o filme. Fica um gostinho meio estranho, de que o CR-V ficou muito forçado ali no comercial, fora a cena da parada chinesa, mais estranha ainda. Mas ainda assim, ficou divertido.

E se a culpa não fosse só de Schettino?

Na hora em que um acidente ocorre, quem está ao volante é responsável, se não pelo acidente em si, pelo menos por suas vítimas . No caso do Costa Concordia, não poderia ser diferente. O capitão Francesco Schettino foi instantânea e globalmente apontado como o grande vilão, e a imprensa não tardou a fazer alarde, criando um personagem fanfarrão, medroso e irresponsável. No entanto, é interessante imaginar que um acidente daquele porte, com a desorganização subsequente que se viu, tenha sido produto de apenas uma pessoa. Não estou dizendo que ele não seja culpado. Mas e se a culpa não for só dele?

É impressionante que os passageiros não tenham sido orientados para o que fazer em caso de emergência. Havia um tripulante para cada três passageiros, e não é difícil imaginar que um esquema de evacuação pudesse ter sido montado de última hora caso houvesse um mínimo de organização no navio. Acho impossível que um navio daquele porte não tenha sistemas de GPS para acompanhamento da rota para a equipe da Costa Cruises – nome que, por sinal, tem sido pouco escutado em toda a cobertura do acidente.

Interessante notar que a cobertura na imprensa não tenha questionado o papel da proprietária do navio. Difícil imaginar que todo esse desvio de Schettino não tivesse sido notado antes por seus chefes ou colegas. Mas que é sempre muito fácil jogar toda a culpa em uma pessoa e criar um vilão (seja ele muito malvado ou apenas um italiano de mullets), isso é.

back again

depois de quase 3 anos longe da redação e de um bom tempo sem blogar, eu finalmente comecei a sentir falta disso daqui. falta mesmo, de passar dias e semanas pensando em nomes e temas e assuntos para posts. eu sei, eu sei, a minha credibilidade não anda das mais altas, depois de uma série de blogs efêmeros que criei. mas sinto que isso aqui é diferente – é poder voltar a exercitar um lado meu que está parado, um pouco enferrujado.

a ideia é poder comentar o dia a dia, não só meu, mas do noticiário como um todo, com um “olhar crítico” e “bom humor”. rsrs.

então, mãos à obra.